Codebits IV (2010)

Codebits Banner

Pela primeira vez participei numa edição do Sapo Codebits. Para quem não conhece, o Codebits é em evento para geeks com concursos, palestras, animação e, extremamente importante, comida grátis. Esta 4ª edição ocorreu no Pavilhão Atlântico, contou com 750 participantes (mas mais de 1500 candidatos) e durou 3 dias.

Nos cerca de 2 meses que antecederam o evento participei numa série de desafios que estiveram disponíveis no site oficial. Quem ficasse no top 16 entrava directamente no “Amazing Codebits Quiz Show”, cujo prémio final era uma Xbox 360. De todos, apenas não consegui resolver o primeiro (até hoje não sei a resposta!) e acabei por ficar em 6º lugar, graças a um belo trabalho de equipa com o Luís Nabais (que ficou em 5º).

Dia 1

Ao chegar ao evento foi-me entregue um kit com uns freebies engraçados, como uma t-shirt, pasta e escova de dentes, uma capa para portátil, uma manta, um termo e uma pulseira/pen usb. Também gostei bastante dos autocolantes temáticos com os quais decorei o meu portátil durante uns tempos.

O evento abriu com “el capitan” Zeinal Bava e a revelação do Meo Jogos. Fiquei bastante impressionado com o serviço que será, sem sombra de dúvida, aliciante para muitas familias. A possibilidade de ter uma biblioteca de jogos ao nosso dispor  instantaneamente e sem ter que comprar uma consola é muito interessante. A tecnologia por trás do serviço também me impressionou bastante.

Codebits 2010Codebits 2010

Após o almoço (saladinha do Mac) fui a 2 ou 3 palestras e acabei por encontrar o Luís Teófilo que tinha proposto o projecto “Expert Guitar for Noobs”. O projecto consistia em utilizar um comando do Guitar Hero 3 para tocar acordes/notas reais. O objectivo era ligar o comando ao computador, tratar os inputs dos botões e gerar notas em MIDI de acordo com um mapeamento feito anteriormente. O comando apenas tem 5 botões, mas seria possível ter à nossa disposição 31 acordes/notas através da combinação de vários botões.

Pedi-lhe para me juntar ao projecto, ele aceitou e começámos logo a trabalhar. Acabei por não ver a palestra sobre o Spacebits, mas foi por uma boa causa. Escolhemos logo as bibliotecas e começámos a tratar o input da guitarra.

No final do dia foi um dos momentos mais hilariantes de todo o evento: o Presentation Karaoke. Cada participante tinha que apresentar um tema sobre o qual não tinha qualquer conhecimento anterior. Era usada uma apresentação aleatória e o participante tinha que se safar e apresentar, de alguma maneira, o conteúdo da mesma. Uns foram mais engraçados que outros, mas no geral foi muito bom.

Dia 2

Acabei por ir dormir a casa mas acordei cedo para ver a apresentação do Bruno Pedro sobre OAuth. O Bruno já me tinha dado formação em PHP na Caixa mágica e, para além disso, tenho em mãos um trabalho para a cadeira de Segurança sobre OAuth, pelo que não podia perder esta sessão. Foi bastante esclarecedora e deu-me uma ideia da estrutura que deveria seguir no meu trabalho.

O resto da tarde foi passada a trabalhar no projecto. Eu fiquei encarregue da parte dos MIDIs e interface gráfico, enquanto que o Luís Teófilo continuou a afinar o funcionamento do comando. Foi bastante difícil colocar a guitarra a tocar as notas de uma maneira fluída, principalmente o fading entre diferentes notas.

No final do dia participei no Quiz Show com o Luís Nabais e acabámos por ficar pelo caminho. Ainda não me perdoei de me ter enganado no significado de RTCP, mas as cadeiras de Redes já lá vão longe. Ficámos em 2º lugar com 4 pontos enquanto que a equipa vencedora ficou com 8.
IMG_8683IMG_8590
Para além disto, no segundo dia também houveram Nuclear Tacos. A malta da organização mandou vir umas malaguetas assustadoras e  fizeram uns tacos que deixaram muito boa gente à beira de um ataque. Acabei por não provar, pode ser que na próxima edição ganhe coragem.

Dia 3

Dei-me novamente ao luxo de ir dormir a casa, visto que o projecto estava bastante adiantado. Durante a noite o meu colega arranjou uma alternativa ao MIDI que trouxe uma qualidade de som bastante melhor. Bastaram mais uns pormenores e estávamos prontos para apresentar.

Também foi necessário apresentar a nossa ideia a um juri que ia fazer uma pré-selecção. Aqui começaram as coisas a correr mal… Pensámos que era apenas uma maneira de distinguir os projectos que estavam em condições de apresentar dos que ficaram a meio gás. Descrevemos e demonstrámos o nosso trabalho finalizado e deram-nos a entender que iriamos apresentar. Aliás, não vimos razão que os levassem a excluir o nosso projecto, visto que fizemos tudo aquilo que tinhamos definido (e até mais do que estava previsto).

Codebits 2010 - Day TwoCodebits 2010-232Codebits 2010 - Day Two

Passado uma hora começaram a anunciar no Twitter oficial os projectos que iam apresentar no palco principal. Iamos ficando cada vez mais nervosos à medida que os tweets iam passando e o nosso projecto não aparecia. Por fim, disseram que não tinham escolhido mais nenhum projecto.

Ficámos de fora e ficámos de rastos. Três dias a trabalhar num projecto e a faltar a palestras para o completar, para depois nos deixarem de parte e não nos darem sequer 90 segundos para o mostrar. Não estávamos sequer a pensar nos prémios (nem sabia quais eram), apenas queriamos mostrar o que tinhamos feito.

Conformei-me e fui-me sentar no palco principal para ver as apresentações dos outros grupos, quando reparei que o meu colega estava a falar com a organização. Fui até lá e eles concordaram em deixar-nos apresentar. Tal como nós, vários grupos mostraram a sua indignação e acabaram por ser aceites.

Vimos as apresentações dos projectos até chegar à nossa vez. O Luís praticou mais um pouco e testámos o software para ver se estava tudo a funcionar (há que ter cuidado com o Murphy). Não estava muito nervoso antes de entrar em palco, apesar de irmos apresentar para cerca de 600 pessoas. Para mim só importava mostrar o projecto ao resto do pessoal. No fim, a reacção do público foi extremamente positiva! Para além das palmas, reparei que tínhamos cerca 100 votos positivos e apenas 10 negativos no ecrã gigante. Tinha sido mais que suficiente e já podia sair do Codebits feliz.




Passado algum tempo começaram a cerimónia de entrega de prémios. Os 10 primeiros projectos iriam receber um “pack” que seria cada vez mais recheado à medida que se caminhasse para o 1º lugar. Quando anunciaram o 6º lugar fiquei petrificado: “Expert Guitar for Noobs!”. Como não tinhamos sido pré-seleccionados, não achei que tivéssemos qualquer hipótese de ficar nos primeiros lugares. Acabámos por ganhar um Macbook Air, um Mac Mini, um iPod nano, um Magic Tackpad, 2 poufs, 5 livros da O’Reilly, um saquinho com o pó que usaram para fazer os Nuclear Tacos e um pequeno (grande) troféu. A divisão dos prémios foi relativamente fácil: eu fiquei com o Macbook Air, um pouf e um livro, enquanto que o Luís ficou com o resto. A divisão do troféu é que foi mais complicada. Atirarámos uma moeda ao ar e eu acabei por ser o sortudo.

Resumindo e Concluindo

O evento estava muito bem organizado e fizeram um excelente trabalho com a decoração. Os gráficos espalhados por todo o recinto deram um ambiente muito próprio à Sala Tejo do Pavilhão Atlântico. Era como se entrássemos noutro mundo.

Destaque negativo para a maneira que escolheram para seleccionar os projectos. Compreendo que tenham tido que fazer alguns cortes devido ao elevado número de projecto (cerca de 100), mas um projecto que é excluído e acaba por ficar em 6º lugar é um claro indício que a selecção não foi conduzida da melhor maneira.

Destaque positivo para a zona de Retro Computing que trouxe alguma nostalgia. Para além disso, a variedade e qualidade das palestras foi bastante elevada e, apesar de não ter tido oportunidade de ver algumas delas ao vivo (principalmente as do Celso Martinho e do Mário Valente), poderei fazê-lo online visto que foram gravadas na íntegra.

Este é, sem dúvida, um evento obrigatório para qualquer pessoa que tenha um grande interesse por informática, os denominados geeks. Parabéns à organização e contem comigo para o ano que vem!

  • Margarida G.

    Excelente reportagem! Parabéns…

  • Miguel,

    ainda não li o teu artigo, mas vou fazê-lo. Pedia-te que tirasses ~50min do teu tempo e assistisses ao vídeo da minha talk: Dr ©.

    Tens aqui os slides & vídeo:
    http://lanyrd.com/2010/codebits/srzx/

    É que acabaste de violar os direitos de autor das fotos que publicaste. Não que não as possas usar mas tens de:
    1) atribuir as fotos ao autor (as minhas podes)
    2) pedir autorização (as de outros autores, por omissão, são “todos os direitos reservados”).

    Quanto às minhas, usa à vontade. Só te queria alertar para o facto. 😉

    E pronto. Agora sim vou ler o post. 🙂

    • André,
      Simplesmente usei a feature do Sapo Fotos intitulada “Partilhar no meu Blog”. Usei o código HTML que me foi fornecido na íntegra, mantendo a ligação para a foto original. Em nenhum local disse que as fotos tinham sido da minha autoria.
      É verdade que não tenho muitos conhecimentos nisto do copyright, mas a partir do momento que utilizei as ferramentas disponibilizadas pela plataforma do Sapo para partilhar, penso que não estou a cometer nenhuma ilegalidade, certo?

      PS: Vou ver a tua talk sobre copyright

      • Legalmente? Estás a cometer uma ilegalidade, sim.

        Se a plataforma te deveria dar essa opção se o autor não permite? Não, mas a plataforma ainda não está adequada nem suporta especificações de licenças específicas… pelo que por omissão todas as “cópias” estão limitadas.

        Tu és livre de usar a feature de “partilhar no blog” mas se o autor não permite e tu não pediste autorização, estarás a violar os direitos desse autor.

        Vou levar este tema ao gestor do SAPO Fotos para nos debruçarmos nessa funcionalidade. Obrigado pela tua perspectiva. 😉

        • Sinceramente tenho algumas dúvidas que se esteja a cometer uma ilegalidade quando não se copiam as fotos mas sim se usam referências directas à origem da foto onde a foto está disponível publicamente (img src=”dominio.original/…).

          Concordo no entanto que fica sempre bem um comentário explícito sobre a origem das fotos.

          Se alguém tiver documentação legal sobre este assunto que possa enviar na minha direcção, estou muito interessado.

  • Carrega Mike! Chegar, ver e vencer é que é! 😛

  • Curti bué o vosso projecto!

    Well done, guys!

    Btw, já tinham visto isto algures? Já houve lá fora uns music hackdays… parece-me que o conceito acentava que nem uma luva. 🙂 hahaha

    ps: Smoke on the Water FTW!

    • Obrigado André! Nunca tinha visto isto em nenhum sitio, e dou os louros ao meu colega Luís Teófilo porque foi ele que teve a ideia.

      Já agora, continuando um pouco o assunto dos comentários anteriores, estive à procura de uma maneira de usar o Sapo Fotos para contactar os autores das fotos e não há qualquer maneira de o fazer, a não ser que me tenha passado ao lado. Contactei um dos autores porque a marca de água nas fotos permitiu-me chegar ao website dele.

      Se quiser fazer tudo bem feitinho, terei que obter permissão dos autores e colocar um texto a dizer “Foto de X, todos os direitos reservados” junto de cada uma?

      • Se tiverem indicação de licença creative commons, só tens que a ler e se a fores usar dentro das condições não precisas de pedir autorização. Por exemplo, para usares as minhas (cc_by_nc) só tens que atribuí-las a mim e não usar para fins comerciais. Mas se quiseres usar fora desse âmbito, podes-me pedir e se eu autorizar, tranquilo.

        Quanto aos que não têm indicação (omissão: all rights reserved), tens que pedir autorização… se eles disserem que podes usar, podes usar. Mas se colocarem condições, tipo: “Usa mas indica algures na peça que aquela foto é minha”. Aí tens que o fazer.

        Por norma, é sempre bom karma atribuir as fotos aos autores… e também evitas logo muita chatice. 😉

        Quanto ao SAPO Fotos, garanto-te que assim que possível o site irá ter isso tudo em conta… foi algo impossível de incluir agora no re-lançamento mas algo bastante importante para a equipa… portanto é só uma questão de tempo para contemplar isso tudo.